17/07/2009

SAINT- HONORÉ - UM BANQUETE A CAROL


Cinema Gastrônomico

Poucos filmes conseguem impor um novo adjetivo, ou um personagem tão marcante que se torna adjetivo, como é o caso de François Vatel, símbolo de um artísta obsessivo e perfeccionista, um homem íntegro e honesto que prefere se matar a enfrentar um fracasso injusto. Sua arte está acima de tudo, sem concessões ou compromisso. Pela honra, ele aposta sua vida. O roteiro de Jeanne Labrune situa toda sua ação em três dias e se inspira em fatos reais. Em 10 de abril de 1671 na França, François Vatel é mestre-cozinheiro a serviço de um general aposentado, Condè, morador do Castelo de Chantilly, que vai receber a visita de Sua Majestade, o rei Luís XIV, e deseja impressiona-lo da melhor maneira possível. Mesmo com pouco dinheiro, prepara uma orgia culinária com uma exibição notável, com pratos suntuosamente apresentados. Nas cenas, podemos ver detalhes precisos dos bastidores de uma cozinha. Difícil encontrar um filme tão apetitoso. É uma narratica propositalmente provocadora, inquietante, que discute valores hoje ainda válidos e importantes. Um filme que comemora a comida, o paladar, a apresentação requintada, a refeição como uma festa dos sentidos. Não é uma mera recriação do passado, é uma celebração, um filme que enche a boca e os olhos de água!

Gérard Depardieu no papel de François Vatel

Foi pelas Mãos do chef e maître d'hotel François Vatel (1635-1671) que a extravagância gastronômica dos nobres franceses do século XVII atingiu o auge da suntuosidade. Enquanto a nobresa e a fartura imperavam nas mesas da nobresa privilegiada, o povo passava fome nas ruas, lançando as primeiras sementes da Revolução Francesa. Vatel (Fritz Karl Wate) era parisiense com família de origem suiça. Tinha o pai operário especialista em telhados mas se rendeu ao encanto daculinária e começou com os pães, trabalhando em uma boulangerie que pertencia ao padrinho de seu irmão. Adotou o nome de François Vatel e ali aprendeu o ofício por 7 anos. A convite de um superintendente das Finanças Reais, foi trabalhar como ajudante de cozinha para a nobreza. Rapidamente, Vatel foi promovido a Maître d'hotel pelo seu excelente desempenho. Em 17 de agosto de 1661, realizou seu primeiro importante jantar para toda corte e sua família, oque além de grande e inúmeros elogios, lhe rendeu grande respeito entre os mais nobres e a oportunidade de trabalhar para as mais coroadas cozinhas da França. Um grande ponto de Vatel foi diminuir em grande quantidade o uso de especiarias para privilegiar em seus pratos, os sabores genuinos dos alimentos, e não dos temperos, conquistando assim a admiração da corte. Chef de alta gastronomia, Vatel usava constantemente os jardins dos castelos para servir suas refeições, agregando ao evento shows com bailarinos, efeitos especiais e fogos de artifício, gerando superproduções que revelaram em Vatel outros dons como arquiteto, iluminador, diretor, pintor e cenógrafo. O fim de Vatel foi no mínimo trágico: ao constatar que um fornecedor trouxera peixe insuficiente para o banquete que estava preparando, Vatel preferiu o suicídio à vergonha de falhar publicamente.

Reza a lenda que Vatel foi o "inventor" do creme chantili, um assunto que ainda gera controvérsias e cujas referências se perderam ao longo da história. No entanto, a versão mais divulgada é que o número insuficiente de claras usadas para a preparação do merengue - que serviria de cobertura aos bolos - fez Vatel experimentar bater a nata do leite para substituir-las. Para obter mais conscistência, foi acrescido açúcar as natas. Nascia então o creme chantili, assim batizado pelo simples fato do "incidente" ter ocorrido no castelo de chantili.

Este é um filme super antigo e muito, muito difícil de se achar para locar. Mas creio eu que todo amanta de gastronomia e culinária não pode deixar de assistir a esta película, não só pelo fato de se tratar de comida, mas para conhecer mais da história desse incrível e apaixonate chef e paraapreciar a riquesa de cada detalhe que as cenas proporcionam. Vale a pena e eu mais que recomendo!!

COMILANÇAS DE VATEL

Esta receitinha que hoje vos passo é parte integrante do filme mas também bem conhecida dos franceses. Deliciosa, delicada mas meio trabalhosa. Mas vale a pena, no final fica com um visual incrível e é saborosíssima. Espero que gostem. Na versão original, usa-se além da massa choux, massa folhada como base. Mas como já é um prato, nada, nada ligth, preparei sem a massa folhada mesmo, assim em vez de 5k eu engordei apenas 2k!!

SAINT HONORÉ - Fabrice Lenud

Ingredientes da Massa: 250ml de leite, 112g de manteiga, 1 pitadinha de sal, 5g de açúcar, 125g de farinha de trigo, 250ml de ovos (+ ou - 4 ovos).

Ingredientes Creme Pâtissier: 5 gemas, 140g de açúcar, 50g de amido de milho, 500ml de leite. Aromatizante a gosto (pode ser baunilha, chocolate, café).

Ingredientes Chantilly: 150ml de creme de leite fresco, 15g de açúcar.

Ingrediente Caramelo: 250g de açúcar, 85ml de água.

Faz Assim massa: Em uma panela ferva o leite, a manteiga, o sal e o açúcar. Assim que ferver, junte a farinha e misture enérgicamente durante um minuto. Fora do fogo, junte os ovos, um a um e misture bem até ficar homogêneo. Numa assadeira untada com manteiga, pitangue essa massa no saco com bico liso e forme as bombinhas. Asse em forno pré-aquecido a 160°C até que estejam bem assadas. Deixe esfriar antes de rechear.

Faz Assim Creme Pâtissier: Leve o leite para ferver. Numa tigela, misture as gemas com o açúcar. Mexa até esbranquiçar e junte o amido de milho. Despeje em cima do leite fervendo e cozinhe, mexendo sempre com um fouet, durante 3 minutos após fervura. Deixe esfriar, aromatize e guarde na geladeira.

Faz Assim Creme Chantilly: Bata na batedeira até atingir o ponto desejado. Cuidado para não virar manteiga. Reserve no freezer.

Faz Assim Caramelo: Leve os ingredientes para ferver até obter a coloração desejada (dourado, marrom claro).

Montagem: Com um saco de confeitar e um bico liso pequeno, recheie as carolinas pela parte de baixo com o creme pâtissire, fazendo um pequeno furo com o bico e injetando o creme delicadamente, cuidado para não danificar as bombinhas. Após todas recheadas, passe-as pelo caramelo e vá dispondo num prato de servir. Sirva junto com o chantilly.


ps* Esta sinopse tirei do livro que estou lendo no momento, O CINEMA VAI A MESA, de Rubens Ewald Filho e Nilu Lebert. Um livro que menciona os melhores filmes relacionados a gastronomia, relatando sua história e com as principais receitras de cada filme. Um livro excelente e que com certeza mais de suas páginas apareceram por aqui!!

24 comentários:

Iliane disse...

adorei o texto...e..tudo que tem ai..babei de vontade de comer..um só..bjus

Nanda Assis disse...

humm delicia de post.

bom sabado.

bjosss...

.
___00000___00000________________
__0000000_0000000_______________
__000000000000000_______________
___000.*Mor*.000________________
____00000000000_________________
______0000000___________________
________000_____________________
_________0______________________
__________0_____________________
____________0___________________
________0000000000000000________
_____0000000000000000000000_____
__000000000__00000__0000000000__
_0000000000__00000__00000000000_
_0000000000__00000__00000000000_
_000000000000000000000000000000_
_000000000000000000000000000000_
_000000__________________000000_
_000000__________________000000_
__000000_________________00000__
___0000000_____________000000___
_____0000000_________0000000____
_______ 00000000000000000_______

inspirações da Jô disse...

Delicioso!!!!!E uma boa dica de filme!!!!Adorei!!!!
Bjs e um ótimo domingo!!!!

Claudia Rumi disse...

chefinha Carol, muito legal a explicação!! Se Vatel inventou o chantilly ou não, não me importo pois adoro chantilly!! E não sabia que podia guardar no freezer. Uma vez batido com açucar, posso deixar qto tempo quiser???E qto o saint honoré, ele não murcha rapido???bjclaudia

*-._.-* Anita *-._.-* disse...

A dica do filme é ótima... ainda não o assisti...

bjssssssssssss

Nana disse...

Gostei amiga, é para eu fazer essas coisas, pagando tudo bem, senão eu pago para alguém fazer hehehe
Dá um trabalho sim.
Bjss

Mundo de Alice disse...

Carol este filme é lindo, eu tenho uma cópia, adoro!!!
já trabalhei em um mesa de cinema que o filme era este!!!linda receita
bjs

Mundo de Alice disse...

Carol
manda teu endereço para
alice.cirnelima@gmail.com
vai ser um prazer te mandar uma cópia
bjs

Bruna maria disse...

Lindo texto e maravilhosa receita, ainda não vi o filme mas ja havia lido sobre Vatel(em uma disciplina do meu curso- História e arte da gastronomia) e me apaixonei por sua história. Bom final de domingo!!

Claudia disse...

Adorei a postagem e claro, o filme é sensacional.

O bolo, bem, eu até que gosto muito deste bolo mas ele é tão trabalhoso de fazer. Eu trafego pelas coisas simples em casa, na rua eu deliro...

Bj.

Claudia

Mundo de Alice disse...

Te mandei e mail

KEKA disse...

amiga, pára de graça!
eu bem vi seu comentário lá no post da Anita!
ai, ai, ai!
olha só: a camisola preta e larguinha é uma ótima opção para quem está acima do peso, viu? vai atrás de uma e veste p/ o marido!
vai sim, amiga!!!
dou a maior força!!
beijos e uma linda semana!!

Luciana disse...

Muito interessante a dica do livro, deve ser muito bom... e esse filme também parece bem legal.
Deu água na boca tua receitinha.
Carol, te escolhi para participar de um desafio culinário, mas sinta-se à vontade caso não queira participar, tá?!!
Que tua semana seja cheia de bençãos.
Bjos, Lú.

Fla disse...

Adorei a dica do filme!
E a receita então nem se fale.
Bjs
Fla

Mari disse...

Amei o post.
Comprei este livro também. Acho super interessante misturar cinema com gastronomia. beijos, M. Bourdain.

Marta Fernandes disse...

Olá Carol! Obrigado pela visita ao meu blog. Em relação á montagem da torta boca doce, se clicares no link, ele leva-te ao meu blog geral, onde eu explico como fiz. Se tiveres alguma dúvida, depois é só dizeres. Vou ficar á espera das tuas próximas visitas. Adorei a tua receita, em tempos também já experimentei e gostei muito, mas dá algum trabalho. Beijocas e tudo de bom.

Minha vida, minha cozinha. disse...

Carol já comi essa delícia uma vez mas era recheada com sorvete, com esse creme deve ser tudo de bom.
Adorei. Bjim.

Ana Medeiros disse...

Ai que delíiicias...

Fiquei curiosa p assistir ao filme, a história parece ser sim bem marcante.

Beijocas Carol, vc é hiper talentosa com seus posts!

mangiachetefabene disse...

Carol, que lindo!!! Um beijo enorme e feliz dia do amigo!

Téia disse...

Cerejinha querida, que sinopse massa, adorei. Olha, já vi este filme e é ótimo, mas a receita está espetacular. Bj grande.

Eu Mulher disse...

Estou com a Iliane, adorei tudo! Não conhecia essa receita. Adorei!!!


Bjus

Bárbara disse...

Passando pra dar um OI...
Fica com Deus...
Bjs
:)

Aline Neme disse...

Tô louca para ler esse livro tb! PArece ser ótimo!!!

Bjundas

Cucchiaio pieno disse...

Me intrigou este filme, quero assisti-lo! E esta receita me fez "babar", parabéns!
Um grande abraço
Léia